É uma simples opinião de uma vítima de um grupo católico muito parecido com os Arautos do Evangelho: os Legionários de Cristo.

O autor desse texto prefere não revelar a própria identidade porque ainda se recupera psicologicamente e financeiramente dos danos que os Legionários lhe causaram.

“Hoje pela manhã, dando uma volta pela imprensa católica conservadora a nível internacional, pude notar uma forte crítica ao papa Francisco por ter aprovado um comissário para a Associação Arautos do Evangelho. Tais “conservadores” alegam que o único que o papa está fazendo é uma perseguição orquestrada contra todos os grupos “verdadeiramente católicos”, como dizem.

Pois bem, para que serve ler essas notícias? Para duas coisas:
Notem que há uma gama de católicos que está se aproveitando do sofrimento real, de vítimas reais, para atacar o papa. Eles não estão preocupados com vocês, vítimas dos Arautos, mas na “imagem da Igreja” (na cabeça deles). Estão instrumentalizando politicamente um evento que eles próprios desconhecem e que, no fundo, nem pretendem conhecer.

Em segundo lugar, mostra também o seguinte: é hora de pressão. É hora das mães, vítimas dos Arautos, dos ex-membros, se unirem mais, juntarem mais força, e continuarem o caminho de pressão no âmbito criminal, civil, nos tribunais.
“Mas, por quê? – poderia perguntar alguém. Não está vendo que a Santa Sé está dando passos para solucionar o problema?”.
Aí é que você se engana. O papa, a depender da pressão contrária que receba – e que não é pouca – pode ficar de mãos atadas diante dos Arautos. Para não deixar isso acontecer, o próprio papa – que, no fundo deve sentir profunda tristeza pelos abusos cometidos pelos Arautos – precisa que as vítimas continuem a exigir os seus direitos civis, nos tribunais civis, sem esperar que a Santa Sé vá fazer muito nesse sentido.

Nos últimos anos vimos grandes grupos católicos, muito parecidos com os Arautos, receberem um comissário da Santa Sé e depois continuarem exatamente do mesmo jeito que estavam, tendo se “reformado” de forma superficial, mas continuando com a manutenção da máquina de moer gente.
É hora, portanto, de pressão. Concedam entrevistas à mídia, denunciem sem medo às autoridades públicas, para que os possíveis criminosos paguem as suas dívidas. A Santa Sé não tem jurisdição no Brasil, no máximo ela consegue prender alguém dentro dos muros leoninos, no Vaticano. Aqui no Brasil existem muitos órgãos: Direitos Humanos, Delegacia da Mulher, Ministério Público, Polícia, etc… Não deixem de recorrer a todos a fim de cercar esse grupo e inviabilizar a continuação dos seus crimes.

Um grupo manipulador não se regenera. Um fundador manipulador cria um exército de pessoas manipuladas e, por sua vez, manipuladoras. Não é retirando o fundador que o exército de manipulados/manipuladores deixará de atuar conforme os ensinamentos recebidos pelo fundador. Por isso, infelizmente, não dá para se iludir, acreditando que o problema será resolvido pela Santa Sé, com algumas reformas aqui e acolá…

Vocês não estão manchando a imagem da Igreja. Quem mancha a Imagem da Igreja são corruptos/corruptores que abusam de crianças para os seus fins macabros. Não se preocupem com Jesus. Ele próprio, na época dele, desceu o farrapo nos fariseus, quando teve a ocasião. E não foi por ódio não, dado que Ele é amor. Foi para mostrar-nos que certos seres humanos são duros de coração mesmo.

Vocês são vítimas. Nesse momento, quem está no banco dos réus são os eclesiásticos que permitiram e deram as autorizações para que tal grupo existisse e fizesse tanto mal à sociedade.
Exijam os seus direitos. Não parem. Acrescentem o cerco jurídico. Os Arautos não vão parar de processá-las. Portanto, denunciem os perfis falsos que eles utilizam para ataca-las. Denunciem na delegacia da mulher, caso tenham sido vítimas de abusos, no caso das meninas ex-arautas. Denunciem nas diversas delegacias especializadas, os diversos crimes que cada um/ cada uma sofreu dentro da organização. Deem tanto golpe que os Arautos não saibam de onde está vindo… Essa será a única maneira de conseguirem algo nessa fase do comissariamento.

Não pensem que o Cardeal Dom Damasceno e seus auxiliares vão fazer grandes coisas. Podem até realizar algumas mudanças superficiais. Continuem a pressão. Vocês não devem nada a eles. São eles que devem muitas explicações a vocês. Pressionem, pressionem, pressionem não esperando nada da Santa Sé, a não ser que se responsabilizem pelo mal que fizeram ao aprovar a existência desse grupo, ao dar-lhes selo pontifício, ao conceder-lhes vida jurídica a nível canônico.”