Quanto às doações e gastos internos…

“Para pedir doações também são utilizadas formas que beiram a imoralidade, utilizando, por um lado, técnicas comerciais, e usando e abusando da “restrição mental”, por outro.
Por exemplo, eles usam técnicas comerciais porque mostram ao potencial doador, quando o visitam em casa, um álbum de fotografias, vídeos, etc. (que varia com o tempo, a tecnologia e o momento), todos orquestrados para chamar a atenção sobre o ponto que eles querem;

O Arauto que pede doações tem em sua mala diferentes tabelas para pedir a doação, algumas tabelas pedem mais dinheiro do que outras, QUAL DELAS SERÁ USADA?
Depende da decisão tomada pelo Arauto na época, de acordo com o nível social, de acordo com a decoração da casa e de acordo com a aparência dos donos da casa.
A “restrição mental” também é usada para pedir o dinheiro. A pessoa é informada de que os Arautos não tem problemas com vocações, mostram fotos ou vídeos de congressos ou reuniões onde todas as vocações estão reunidas em todo o mundo, e dizem que tudo é maravilhoso nos Arautos, mas que essa obra tem que ser mantida.
Então, a tabela correspondente é utilizada. A soma de dinheiro que solicitam deve ser mensal, sem prejuízo de que, se uma única doação é dada, ela também é aceita, mas estão mais interessados em doações mensais.


Se a família lhe deixa uma herança em dinheiro e você a mantém em um banco ou algo assim, a congregação se dedica a destruir a honra dessa pessoa, apontando-a como egoísta, pouco generosa, etc. e essa pessoa ficará marcada e esse segredo acabará sendo divulgado. Por outro lado, se você ganhar uma herança milionária e entregá-la comprando coisas para as sedes ou de alguma forma destiná-la aos Arautos, então você será elogiado e seu nome ressoará internamente como nunca antes.

O mais triste de tudo é que dentro dos Arautos há pessoas que vivem com o mínimo. Talvez eles estejam felizes porque praticam a pobreza, mas quando a idade avança e vem as doenças, certas necessidades, etc. eu testemunhei e soube em primeira mão da briga, aos gritos entre um Arauto de 65 anos e o encarregado, em que o primeiro pedia mais dinheiro para medicamentos, enquanto o segundo negava.
Há vários casos de Arautos mais velhos que não são totalmente bem cuidados, os Arautos são muito mesquinhos com os fundos a serem entregues às pessoas, por exemplo, se uma roupa especial é necessária, um colchão especial para dormir, fones de ouvidos para reuniões, etc.
Qualquer coisa que não seja o básico, você deve obter dinheiro com a sua família ou até mesmo com outros Arautos.”

Esse ex-integrante, que entrou aos 14 anos e saiu aos 25 anos, diz que manteve silêncio durante todos esses anos (10 anos) por ignorância, por achar que só poderia fazer uma denúncia se fosse para obter benefícios pessoais (indenizações); porque não quis prejudicar a entidade, apesar de todo mal que lhe causaram; e porque conhece as atitudes violentas que os Arautos do Evangelho tem com o seus detratores, pois são objeto de reuniões Internas, onde amaldiçoam e consideram inimigos inveterados.

É importante observar que há pouquíssimos integrantes idosos na instituição, muitos são devolvidos para suas famílias ou saem desiludidos e desamparados.
Segundo dados da própria instituição 96% dos membros tem menos de 30 anos.