Fiquei impressionada com o fato dos Arautos estarem em vários países e terem um colégio internacional.  Pensei: “que bom,minha filha vai estudar num colégio internacional e poderá um dia morar em outro país. Que lindo! Poderá usar o inglês fluente dela para evangelizar!!”

Assim que começou a morar com a ordem II na cidade de Nova Friburgo, pedi a encarregada que falasse com ela em inglês para manter a fluência, pois no colégio, a professora só ensinava a matéria como em qualquer escola.

Quando foi morar em Mater Castissima em São Paulo em  janeiro de 2017, pensei: “Agora sim, falará inglês com as irmãs canadenses e todas estrangeiras!!”

Quatro meses na tarde, tive a graça de ver os vídeos no YouTube para me mostrar que os Arautos que eu via não era o mesmo que minha filha vivia. TUDO ERA UMA ILUSÃO. Respirei fundo, procurei explicação na igreja com um padre amigo. Ele disse: já vi os vídeos. Pura gnose!  O Vaticano vai intervir. Mas, como as investigações demoram,deve tirar sua filha logo. Como ela é menor de idade, tem sorte!

Assim eu fiz!

E eu ,acreditando que minha filha iria começar a falar outras línguas!!! Doce ilusão. O que aprendeu na verdade  foi “arautes” com pronúncia específica e vocabulário como: FENOMENAL, tal qual, nooossa, fatinho (histórias da vida de João Cla), fassura(mulher do mundo), efe(mãe), efo(pai), BAGARRE (fim dos tempos com data prevista desde os anos 70), Reino de Maria e etc. Aprendeu todas as matérias permeadas com três “disciplinas”: plinioligia, Luciologia, Joaocladia.

Um currículo totalmente desalinhado com o currículo nacional.

Convenhamos,de internacional não tem nada. Um engodo!!

Um dado muito importante.

Há 30 colégios no Brasil afiliados com o programa international. Os Arautos NÃO fazem parte da lista.
FONTE: https://www.sk.com.br/sk-intsch.html

COMO FUNDAR UMA ESCOLA INTERNACIONAL

A escola internacional, conforme Deliberação 341/2013 do Estado do Rio de Janeiro, deve atender aos preceitos da Constituição Nacional (Brasil) e da Constituição do país da segunda língua. Deve ainda ser reconhecida oficialmente pelo país estrangeiro, além de necessitar prestar contas a órgãos internacionais. Deve também ministrar aulas de imersão na língua do país representado, trabalhando e valorizando o pluralismo de ideias e culturas dos países envolvidos.

Diante desta disposição normativa, nos deparamos com a seguinte pergunta: poderá uma escola nacional, autorizada ao ensino brasileiro ser transformada em escola internacional?  

Para respondermos essa pergunta, vamos partir da premissa de que a escola para ser considerada como internacional no Brasil, deverá ser autorizada no país de origem, ou país sede.

Sendo assim, a escola nacional autorizada ao ensino só poderá ser internacional em outro país de língua estrangeira. Por outro lado, para uma escola nacional (brasileira) se tornar uma escola internacional em nosso território, só lhe resta o caminho da incorporação ou fusão, ou seja, a escola internacional incorporará ou se fusionará a escola nacional. Caso contrário, não será possível a existência de outra.  

Além de cumprir essas exigências, a escola deve oferecer disciplinas e atividades na língua estrangeira adotada, e ser reconhecida oficialmente pelo país-sede e pelo país representado. A instituição também terá outras obrigações, como:

  • Contratar um diretor do país representado;
  • Contratar um diretor brasileiro;
  • Ter um quadro significativo de professores estrangeiros;
  • Aceitar alunos de diversas nacionalidades;
  • O corpo docente deve ser misto, e composto por professores estrangeiros e brasileiros. A grade curricular normalmente atende aos requisitos da política educacional brasileira bem como da estrangeira eleita. A escola deverá entre outras coisas:
  • Oferecer aulas de apoio em português e na língua estrangeira;
  • Ter 20% de alunos estrangeiros;
  • Ser membro do IB (Bacharelado Internacional);
  • Oferecer oportunidades de intercâmbios;
  • Ter reconhecimento das certificações dos diplomas das línguas oferecidas. Por: Dr. Ricardo Furtado, Consultor jurídico educacional, tributário e humanista.

CONCLUSÃO

A Escola internacional dos Arautos do Evangelho é mais uma mentira para nos enganar.