Imagine um lugar onde a sensação de que algo muito ruim está prestes a acontecer…

Essas são as casas que abrigam os membros dos Arautos do Evangelho.

Aquele aparente “céu” não passa de um inferno, constantemente as pessoas que ali vivem são cobradas a cada movimento, desde o simples ato de lavar as mãos até os pensamentos mais profundos… Tudo é determinado e de alguma maneira vigiado, o “ordo de costumes” determina tudo e quem seguir será mais parecido com seu líder e alcançará a perfeição e consequentemente à santidade.   

Já no início a pressão para que as crianças sejam perfeitas é muito grande. Os pequenos são submetidos a um regime disciplinar com punições que abalam profundamente o psicológico e a maior arma é o medo:

  • Medo de se apegarem aos pais;
  • Medo de não usarem hábito ou botas;
  • Medo de não se adaptarem ou serem aceitos;
  • E o medo da “Bagarre” (fim do mundo, previsões que se iniciaram com Plinio Correa e o fundador João Clá Dias continua fazendo diversas vezes sobre a queda de um meteoro).

Já nos primeiros contatos com o grupo as crianças recebem essa informação do próprio João Clá, em alguma missa aonde um simples olhar dele é disputado. Lá são informadas que a Bagarre” não passa desse ano (não importa o ano, não passa desse) e que os melhores serão selecionados, que terão que lutar contra os mundanos revolucionários (incluem pai e mãe).

Caso ele não vá há uma missa, as reuniões de Plínio Correa de Oliveira será passada durante a refeição, ou até em conversas informais com outros membros do grupo um “fatinho” ou outro mencionará sobre a chegada da “Bagarre” ou algo terrível que aconteceu com alguém que deixou o grupo.

Uma das justificativas para as inúmeras prorrogações da data desse castigo que atingirá toda a terra é que a CULPA é dos próprios membros do grupo, devido a indiferença e infidelidade deles.

As doenças mentais são perigosas, principalmente por não serem aparentes, dificultando a identificação e o tratamento.

Transtorno de ansiedade, depressão, síndrome do pânico, esquizofrenia e outras doenças são IGNORADAS enquanto o membro pertence ao grupo, entretanto essa é uma das maiores causas de “devolução” dos membros aos seus familiares.

Incutem na criança que ela tem vocação, passando a usar o hábito e, repentinamente, sem qualquer justificativa, os Arautos mandam o jovem embora para casa. Os casos de meninas que chegaram a fazer votos perpétuos e foram devolvidas para suas famílias causam grande espanto. Como lidar com a ideia de que você era vocacionado a vida inteira e simplesmente sua vocação sumiu?   

O afastamento do convívio social promovido, desde que a criança passa a frequentar às sedes locais, é o maior fator para dificultar o reingresso à sociedade. Além do medo de voltar a ter uma vida “normal” a ideia de que ao se deligar dos Arautos a pessoa está automaticamente condenada é perturbadora.  

O bullying com quem vai para a casa dos pais ou faz ligações para a família, isolando e chamando de “sabugo”, “mocorongo” é praticado inclusive dos membros mais velhos para os mais novos.

NÃO HÁ UM PREPARO PARA A VIDA CASO A PESSOA NÃO QUEIRA SEGUIR O CAMINHO DETERMINADO PELOS SUPERIORES DOS ARAUTOS E NÃO HÁ UM APOIO NA VIDA DE UM EX MEMBRO.

A padronização da personalidade mexe profundamente com a autoestima das crianças e esses quando atingem a fase adulta continuam com problemas sérios com a própria imagem, se acham feios, não olham em espelhos, se recusam a tirar foto.

Ainda dentro do grupo, muitas crianças demonstram sintomas típicos desses distúrbios e é omitido dos pais.

Sintomas psicológicos da ansiedade

  • Constante tensão ou nervosismo
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer
  • Problemas de concentração
  • Medo constante
  • Descontrole sobre os pensamentos, principalmente dificuldade em esquecer o objeto de tensão
  • Preocupação exagerada em comparação com a realidade
  • Problemas para dormir
  • Irritabilidade
  • Agitação dos braços e pernas.

Sintomas físicos da ansiedade

  • Dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração
  • Respiração ofegante ou falta de ar
  • Aumento do suor
  • Tremores nas mãos ou outras partes do corpo
  • Sensação de fraqueza ou cansaço
  • Boca seca
  • Mãos e pés frios ou suados
  • Náusea
  • Tensão muscular
  • Dor de barriga ou diarreia.

O cárcere mental onde se é refém de seus próprios pensamentos e atos, criado após a passagem por essa instituição, já deixou muita destruição. Não só o indivíduo mas toda família sofre com os efeitos.