” 27.‘Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio?’. 28.Disse-lhes ele: ‘Foi um inimigo que fez isto!’”
São Mateus, 13

Quando estava cursando o segundo ano do Ensino Médio (tinha 15 anos), conheci os Arautos do Evangelho no domingo de ramos de 2017, primeira vez (de muitas) em que estive na sede deles de minha cidade. Fui convidada à Missa por terciários e logo me encantei pelo aparente zelo com o Sagrado, pois usam até a Imagem de Nossa Santa Mãe, Maria Santíssima, para atrair os católicos, como eu.
Nada foi repentino, tudo foi muito gradual: cada vez mais frequentava a sede, cada vez mais me esforçava por achar normais os comentários no meio das homilias sobre Plinio, Lucília e João Clá, apesar de saber que eles não têm processo de canonização, cada vez mais desenvolvia escrúpulos, cada vez mais sofria de desânimo espiritual por ver que era impossível seguir todas aquelas regrinhas deles, cada vez mais pensava que só conseguiria viver aquela beleza toda em plenitude se me tornasse uma eremita dos Arautos do Evangelho.
Depois de muita insistência e a contragosto de minha família, fui para o Congresso da Ordem II em julho de 2018 para confirmar minha vocação. O tema do Congresso era Dona Lucília. Havia cerca de 700 crianças congressistas da Ordem II segundo as irmãs, todas com menos de 12 anos, imagino. Todas tinham suas consciências individuais anuladas, nada pensavam como si mesmas, mas sempre seguiam regras talmúdicas nos mínimos detalhes. O ambiente era terrível: só se falava dos fundadores (até nas conversas livres), rezava-se pedindo a intercessão deles e todos enlouqueciam de desejo de receber um olhar de João Clá nas Missas que tínhamos com ele pela manhã na sede Lumen Prophetae. Não se podia fotografar ou filmar qualquer cerimônia ou mesmo o refeitório de Lumen Prophetae, que me surpreendeu com seu luxo extremo.
Eu perguntei a várias eremitas de países diferentes como elas decidiram que aquela era a vocação delas. No entanto, o que me assustou foi que todas afirmavam que cresceram lá, que não houve um dia em que simplesmente decidiram, mas que jamais pensaram em sair de lá. Uma delas, de Portugal, contou-me as brigas com sua família e fiquei horrorizada com o desprezo e o deboche com que ela tratava a própria mãe, revirando os olhos para falar da preocupação que a mãe tinha de que a filha entrasse numa seita.
Uma das cenas de teatro do Congresso me marcou em especial: uma criança qualquer em uma cafeteria se aproximava da irmã que atuava como Dona Lucília e lhe dizia: “Nossa, a senhora é tão boa e minha mãe é tão má! Como eu gostaria que a senhora fosse minha mamãe…!” Nesse momento, todas as eremitas de hábito que acompanhavam as cenas junto com as congressistas gritaram “Nossa!” e trocaram olhares estranhos que diziam “acabou de contar a minha história!”
Em nenhuma homilia das Missas do Congresso se falava das leituras do dia ou do Evangelho. Falava-se de Lucília tão somente. Sequer se relacionava a sua vida com as passagens bíblicas. Em um sermão, o padre adulterou a história de Santa Priscila (Santa Prisca) ao substituir Nossa Senhora, a Santíssima Virgem Maria, por Senhora Dona Lucília!! E o mais assustador: em nenhuma Missa que tivemos no Congresso se falava o nome “Francisco” do Papa na oração eucarística pela Igreja. Simplesmente se pulava o nome do Santo Padre, como se ele não fosse nosso verdadeiro Papa. Além de que as irmãs que ensinavam o significado das cenas de teatro para as congressistas chegaram a defender o absurdo de que a alma de Dona Lucília era imaculada.
O que eu concluí dessa triste experiência foi que os Arautos do Evangelho não são católicos porque não proclamam internamente o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas, sim, o de “Nosso Pai e Senhor Doutor Plinio”, não tem amor e devoção a Nossa Senhora, a Virgem Maria, mas, sim, por “Senhora Dona Lucília, Mãe Nossa” e não se submetem ao verdadeiro Vigário de Cristo, o Papa Francisco, mas, sim, ao “Papito” (João Clá), como eles mesmos dizem. Eles são uma seita infiltrada na Igreja Católica, são o joio no meio do trigo e usam disso como vantagem para aliciar cada vez mais crianças e jovens, enganando bem intencionados e pervertendo inocentes. Com esse meu relato, contribuí, em agosto de 2018, para as investigações que a Santa Madre Igreja está fazendo dos Arautos.
O que mais me entristece é o escândalo que os Arautos causam em muitas pessoas, porque os que tem pouca formação católica e descobrem a verdade a respeito dessa seita acabam por pegar aversão às poucas coisas que os Arautos roubam do Catolicismo para enganar os católicos: aversão à Missa, à devoção a Nossa Senhora, à Tradição… Isso acontece porque, na atual crise, muitos acreditam que as coisas boas que os Arautos roubam da Igreja sejam, na verdade, exclusivas dos Arautos, porque não se vê elas em outros lugares, como a Comunhão de joelhos e direto na boca e a exortação para evitarmos o pecado. A pior mentira é a que mais se parece com a verdade e a pior seita é a que mais tenta parecer com a Santa Religião fundada por Cristo sobre Pedro, a Igreja Católica Apostólica Romana, porque mais escandaliza.
Hoje, estou certa de nunca mais colocar os pés naquela seita. Continuarei rezando para que alguma medida contra o culto aos fundadores e demais erros seja tomada o quanto antes pelas autoridades responsáveis e para que as famílias que perderam suas crianças sejam restauradas e permaneçam firmes no verdadeiro Catolicismo. Que Nossa Senhora Auxiliadora interceda por nós.

Católica, estudante e ex-frequentadora dos Arautos do Evangelho.

Apêndice: “Ladainha de Dona Lucília

Kyrie, eleison.
Christe eleison.
Kyrie, eleison.
Christe, audi nos
Christe, exaudi nos.
Pater de coelis, Deus, miserere nobis.
Filii Redemptor mundi, Deus, miserere nobis.
Spiritu Sancte, Deus, miserere nobis.
Sancta Trinitas , unus Deus, miserere nobis.
Dona Lucília, rogai por nós.
Manguinha , rogai por nós.
Mãe do Senhor Doutor Plínio, rogai por nós.
Mãe do Doutor da Igreja, rogai por nós.
Mãe de nosso Pai, rogai por nós.
Mãe do Inefável, rogai por nós.
Mãe de todos nós, rogai por nós.
Mãe dos Séculos futuros, rogai por nós.
Mãe do Princípio axiológico, rogai por nós.
Mãe do Temperamento de Síntese, rogai por nós.
Mãe de toda a pureza, rogai por nós.
Mãe da Trans-esfera, rogai por nós.
Mãe da Seriedade, rogai por nós.
Mãe da Contra-Revolução, rogai por nós.
Restauradora dos temperamentos, rogai por nós.
Fonte de luz, rogai por nós.
Geradora da Inocência, rogai por nós.
Conservadora da Inocência, rogai por nós.
Consoladora do Senhor Doutor Plínio, rogai por nós.
Mediadora do Grand Retour, rogai por nós.
Mediadora de todas as nossas graças, rogai por nós.
Aurora do Reino de Maria, rogai por nós.
Dona Lucila do Sorriso, rogai por nós.
Dona Lucília dos Flashes, rogai por nós.
Flor mais bela entre todas, rogai por nós.
Refugium nostrum, rogai por nós.
Consolatrix nostra, rogai por nós.
Auxilium nostrum na Bagarre, rogai por nós.
Causa de nossa perseverança, rogai por nós.
Vaso de lógica, rogai por nós.
Vaso de Metafísica, rogai por nós.
Mártir do isolamento, rogai por nós.
Rainha do sofrimento sereno, rogai por nós.
Rainha do jeitinho, rogai por nós.
Rainha da serenidade, rogai por nós.
Dona Lucília, mãe e senhora nossa, ajudai-nos.
*Dona Lucília, nossa maior medianeira ante Nossa Senhora, ajudai-nos.
*: (Jaculatória acrescentada após as denúncias contra a ladainha).
–Rogai por nós, ó Mãe do Doutor da Igreja.
— Para que sejamos dignos das promessas do senhor Doutor Plínio.
Memorare
Lembrai-vos, ó piíssima Dona Lucília, que nunca se ouviu dizer, etc.”

Fonte: http://www.montfort.org.br/bra/cadernos/religiao/pco-vi/