O afastamento familiar se torna algo comum dentro dessa instituição, tão comum que se sentimos vontade de vir embora, muitas vezes, estamos sabugando (não perseverando na vocação que Nossa Senhora nos deu), começamos a ver nossos pais com olhar de indiferença… No começo por sermos crianças isso não é tão forte, mais conforme o tempo passa o comportamento rebelde e rude se torna algo visível.
Morei nessa instituição e sai contra minha vontade, porque minha mãe me retirou, várias vezes desejei a morte dela para poder voltar aos AE, meu ódio contra ela, era algo inexplicável e a cada dia aumentava.
Uma instituição que infelizmente usa a Igreja Católica, as chaves pontifícias e por trás das paredes de cada castelo construído por eles, há muito coisa escondida… É certo uma instituição pegar crianças menores de idade dizer que ela tem vocação? Como um menino (a) de 10 ou 12 anos saberá dizer o que realmente quer? O que uma criança mais ama na vida é poder brincar, se divertir e principalmente ser livre debaixo dos braços dos pais… Mas quando essas eremitas aparecem oferecendo uma bolsa do projeto futuro e vida para esse infanto que mal começou sua juventude, essa concepção de mundo e liberdade muda, e as mudanças não demoram muito e vem com radicalidade…
Porque há tanto segredo dentro das salas daqueles castelos? Se dizem que é algo sacral, santo… Um dos pontos que nos faz pensar é que uma ordem religiosa não tem nada a esconder, mas dentro dessa instituição muitas coisas são ocultas. Mas, como diz o evangelho “Porque não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz”.
Esperamos confiantes a resposta do Vaticano pra que essas almas inocentes e iludidas com o luxo sejam libertas e trazidas para o lar familiar.
Ass. Ex Arauta