No mês de maio de 2017, uma série de vídeos foram vazados e postados em uma plataforma de mídias sociais, deixando vir a público uma boa parte do que se passa no ambiente interno dos ARAUTOS DO EVANGELHO.

A pessoa que, corajosamente, se dispôs a mostrar os bastidores dessa instituição através desses vídeos no YouTube, foi convidada a depor nos Estados Unidos acusada de deixar vazar informações de dentro da instituição e, infelizmente, foi obrigado a retirar todos vídeos do YouTube. É importante salientar que graças a esses vídeos, as mães, puderam constatar verdades que só podiam suspeitar. Consequentemente, após essa constatação puderam libertar as filhas menores de idade. No entanto, por causa da retirada, a verdade não chega mais ao público e crianças continuam a ser chamadas, através de escolas, para participar de seus projetos.

Por um acaso, um vídeo postado por outra pessoa permaneceu. Provavelmente, após esse relato, ele também desaparecerá.

https://youtu.be/31ROhxBcImU

Abaixo, seguem os links das fontes jornalísticas sobre esse assunto para confirmar os fatos.

http://www.ihu.unisinos.br/568623-arautos-do-evangelho-o-fundador-renuncia-enquant-o-vaticano-investiga

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/nelsondesa/2017/06/1893956-vaticano-investiga-organizacao-catolica-brasileira-por-pacto-com-sata.shtml

http://istoe.com.br/os-inimigos-do-papa/

http://veja.abril.com.br/brasil/com-o-demonio-nao-se-brinca/

Diante disso, e considerando que os ARAUTOS DO EVANGELHO, até o momento, tem o reconhecimento da Igreja Católica. A Santa Sé escolheu o Cardeal Dom João Braz de Avis, atual prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, para investigá-los. Centenas de relatos de ex-integrantes, pais de ex-integrantes e também de pais de atuais integrantes (que ainda lutam para tirar seus filhos desse local), já foram encaminhados ao Cardeal Dom João Braz de Avis.

Enquanto o Vaticano não conclui as investigações, temos o dever de nos manifestar sobre esses fatos, para que assim, outros pais possam ter ciência e optem por autorizar ou não seu filho a frequentar essa instituição.

Com a exposição dos vídeos e à medida que começaram a tirar seus filhos e/ou suas filhas dos ARAUTOS DO EVANGELHO, muitos pais, indignados, começaram a descobrir outros fatos. Porém, os pais daqueles que já atingiram a maioridade, estão na luta até hoje aguardando uma resposta do Vaticano. Pois não conseguem após os dezoito anos dos filhos ter poder sobre para retirarem da instituição.

Não se tem conhecimento de tudo o que acontece no ambiente interno dos ARAUTOS DO EVANGELHO porque há informações que apenas são divulgadas internamente.

Segundo relatos enviados por várias famílias, os ARAUTOS DO EVANGELHO determinam as escolhas das crianças desde cedo. A abordagem se dá em colégios públicos e privados e seus alvos são crianças a partir de 9 anos de idade.

A abordagem ocorre de forma discreta conforme mostra o vídeo extraído de matéria publicada pela APEOESP, na qual essas visitas são questionadas.

Link: https://jornalggn.com.br/educacao/presidente-da-apeosp-questiona-visita-dos-arautos-do-evangelho-em-escola-estadual/

É onde tudo começa:

Membros dos ARAUTOS DO EVANGELHO convidam a criança sorteada para conhecer a sua sede em sua cidade, oferecendo cursos de música ou artes marciais no projeto Futuro e Vida.

Sentindo-se seguros, por entenderem ser uma instituição com a aprovação da igreja católica e convencidos pelo discurso das integrantes dos ARAUTOS DO EVANGELHO, os pais acabam por permitir essa aproximação. A criança começa a frequentar as casas sede no fim de semana e logo ganha uma bolsa de estudo para estudar na escola deles e finalmente convencem a criança e os pais de que é melhor morar em suas casas por estarem desenvolvendo melhor sua “vocação”.

Apesar de existir uma forma de admiração e até amor pela doutrina católica, existem outros objetivos postos em prática lá dentro, sem a devida autorização dos pais ou até mesmo da igreja, tanto que estão sendo investigados pelo Vaticano.

Não se pode negar que o fator mais grave dessa luta de famílias contra os ARAUTOS DO EVANGELHO é o afastamento da família.

A mudança de casa da criança para a sede na Serra da Cantareira acontece com a justificativa de atender à doutrina, à disciplina e, sobretudo à “VOCAÇÃO”. Os arautos convencem os pais e a criança dizendo, insistentemente, que a casa em São Paulo é o melhor lugar para o jovem ficar perto do fundador, assim ele pode decidir se o(a) menino(a) faz o padrão deles. Essas sedes em São Paulo, chamadas uma de Thabor (dos meninos) e outra de Monte Carmelo (das meninas), são duas das casas dos ARAUTOS DO EVANGELHO, que se parece com castelos, o que causa bastante interesse nas crianças.

Uma vez que o fundador afirma que a criança tem vocação, começa a sua “iniciação”, até que seja cobrado dele dedicação e renúncia cada vez maiores e com isso o afastamento dos pais e da família se intensifica.

Importante destacar que não estamos diante de casos isolados!

Desde o inicio das investigações, os relatos enviados aos bispos encarregados mostram histórias muito semelhantes de mães de ex-integrantes e também de ex-integrantes.

Em todos esses relatos, são expostos meios utilizados pelos ARAUTOS DO EVANGELHO para criar obstáculos para os encontros dos filhos com seus pais, irmãos e demais familiares, que vão desde a dificuldade de se falar ao telefone, a interferência na troca de correspondência, negação de viagem com a família, compromissos de última hora, enfim. Sempre estão muito ocupados. Assim, as visitas em casa vão diminuindo e o afastamento aumentando. Até que o filho(a) atinge a maioridade e os pais perdem qualquer influência sobre.

Cumpre salientar que não se trata aqui de jovens que em determinado momento da vida, de forma amadurecida e consciente, escolheram tornar-se membro de uma instituição e sim de crianças que a partir de 9 anos de idade são convencidas de que nesse lugar, elas poderão viver longe do mundo e até de seus pais para alcançarem a salvação. O problema é que os pais só se dão conta dessa realidade com o tempo e às vezes já e tarde para desconstruir o que foi plantado neurologicamente em suas mentes. Quando chegam a maioridade então, já não se conseguem fazer mais nada e fica quase que impossível de ter novamente seu filho(a).

Quase todas as crianças que ingressam nos ARAUTOS DO EVANGELHO passam a ter “vocação” religiosa automaticamente. Não há um acompanhamento espiritual para testar a vocação dessas crianças. E se elas decidirem por conta própria que não tem vocação são mal vistas e consideradas traidoras de seu fundador e sem salvação porque voltaram para o mundo. As crianças que estão lá começam a pensar que qualquer um que não acolhe o carisma dos ARAUTOS DO EVANGELHO, passa a ser um inimigo que persegue a ordem. Isso se aplica aos pais que começam a enxergar a realidade e discordam de coisas feitas lá dentro. Passam a ser vistos como inimigos pelo próprio filho.

Enquanto não temos a conclusão da investigação promovida pelo Vaticano, pelo Ministério Público e até mesmo pelo MEC para corrigir essa lamentável realidade, desejamos ter a certeza de que o dever de mostrar e informar ao público sejam cumpridos para estarmos em paz com nossa consciência, mesmo sabendo que corremos o risco de sermos chamados de perseguidores e inimigos.